Leading the disenfranchised or joining the establishment? India, Brazil, and the UN Security Council

Share

Carta Internacional, Março de 2010, Vol. 5, No.1, pp.53

This paper compares Brazil’s and India’s strategy to obtain a permanent seat on the UN Security Council and the implications this has for both countries’ identities. On the one hand, Brazil and India align with developing nations and jointly press for more inclusive global governance. On the other hand, critics have pointed out that Brazil’s attempt to enter the UN Security Council as a permanent member is not entirely about democratizing the UN, but rather about creating an “expanded oligarchy”. This article seeks to better understand the nature of this dilemma, comparing how both countries deal with this transition.

Download the paper here

Key words: UN Security Council, Brazil, India

Este artigo compara a estrategia brasileira com a estrategia indiana para se tornarem membro permanente no Conselho de Segurança. Este projeto tem implicações profundas para a identidade e a posição dos dois países no cenário internacional. Por um lado, o Brasil e a Índia mantém sua aliança com os países em desenvolvimento, e juntamente pressionam os países estabelecidos para reformar as instituições internacionais. Por outro lado, a tentativa brasileira e indiana de tornarem-se membro permanente não é apenas um projeto de democratização da governança global, mas também fruto da própria ambição de fazer parte de uma “oligarchia expandida”, que pode causar críticas no mundo em desenvolvimento. O artigo procura entender melhor a natureza deste dilema, comparando como os dois países lidam com esta transição.

UNSC

Leia também:

Identidade, Status e Instituições Internacionais: O Caso do Brasil, da Índia e do Tratado de Não Proliferação

Book review: “Monsoon: The Indian Ocean and the Future of American Power” by Robert D. Kaplan

Book review: “The future of Power” by Joseph Nye Jr.

Photo credit: UN official