O argumento em prol da reforma de cotas no FMI

Share

fmi2

Na Cúpula do G20, em 2009, líderes mundiais anunciaram que os chefes de instituições financeiras internacionais “precisavam ser indicados através de processos de seleção abertos, transparentes e meritocráticos”. Mas, em 2011, os líderes europeus romperam com sua própria promessa e insistiram em nomear um europeu para substituir Dominique Strauss-Kahn como o diretor do FMI. Em 2012, a administração de Obama nomeou Jim Yong Kim como seu escolhido para ser o novo presidente do Banco Mundial. A nomeação de Kim por parte de Obama praticamente assegurou sua indicação, deixando as potências emergentes irritadas com a incapacidade dos Estados Unidos de considerarem a candidata nigeriana (Ngozi Okonjo-Iweala), considerada, por muitos, mais qualificada.

Uma lógica semelhante será provavelmente aplicada à reforma das cotas do FMI, aprovadas pelo Conselho Diretor do FMI em 2010. A referida instituição aclamou esses passos, chamando-os de “históricos”, e enfatizando que representavam “um realinhamento significativo no ranking das cotas, refletindo melhor as realidades econômicas globais, bem como, um fortalecimento da legitimidade e da eficácia do Fundo”. Mas, as reformas de 2010 estão sujeitas à aprovação de governos nacionais, inclusive do altamente partidário Congresso americano. Temendo um retrocesso doméstico antes das eleições presidenciais e legislativas, a administração de Obama reluta em colocar o tema em votação. Desse modo, as reformas acordadas há dois anos não foram implementadas antes da última reunião do FMI no Japão. O paradoxo é ainda maior quando se considera que os acontecimentos econômicos globais dos últimos dois anos aumentaram a necessidade de melhor representação para potências emergentes. Há apenas quatro meses, na Cúpula do G20 em Los Cabos, no México, as nações do BRICS concordaram em contribuir mais de US$ 70 bilhões ao FMI, mas não sem expressar sua preocupação acerca da implementação das reformas de cotas previamente acordadas.

Embora os líderes europeus e americanos peçam às potências emergentes que ajam como “stakeholders responsáveis”, eles mesmos, por vezes, relutam em agir construtivamente quanto ao envolvimento de novos atores e em permitir que esses assumam a liderança nas instituições existentes. Uma das consequências disso é o apoio crescente do Brasil e de outros mercados emergentes para a criação de um Banco de Desenvolvimento do BRICS.

A relutância e a hesitação das potências estabelecidas demonstram notável falta de visão: embora agarrar-se ao status quo produza benefícios de curto prazo para a Europa e os Estados Unidos, mesmo que minúsculos, essa atitude aumenta o déficit de confiança entre o “Norte Global” e o BRICS, fortalecendo a tese daqueles em Pequim, em Nova Déli e em outras partes que argumentam que as instituições existentes são demasiado rígidas e; portanto, precisam ser questionadas.

Se os Estados Unidos e a Europa realmente quiserem fortalecer a governança global, terão de exercer a liderança no plano doméstico e convencer seu eleitorado de que envolver as potências emergentes é a única maneira de assegurar que as instituições internacionais permaneçam funcionais quando as potências tradicionais já não estiverem mais no controle. O difícil processo de adaptação a uma nova realidade apenas começou. Nos próximos anos e nas próximas décadas, reformas muito mais extensas terão que ser implementadas no FMI para que a instituição possa manter sua legitimidade no século vinte e um.

Leia também:

Debate: Panorama e Perspectivas das Eleições Presidenciais nos EUA

Reunião do BRICS em Chongqing: foco no fortalecimento da cooperação entre os países do grupo

Bloqueado na China