Entrevista com o jornal Brasil Econômico sobre o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB)

Share

AIIB

Banco de investimento chinês cria era de multipolaridade, diz especialista

Oliver Stuenkel, especialista da FGV em emergentes, diz que os EUA usam a ajuda militar como principal moeda de troca para impedir a adesão de países como o Japão e a Índia ao banco de investimento criado pela China, que já tem apoio dos países europeus.

Florência Costa florencia.costa@brasileconomico.com.br e Gabriel Vasconcelos gabriel.vasconcelos@brasileconomico.com.br

http://brasileconomico.ig.com.br/mundo/2015-03-18/banco-de-investimento-chines-cria-era-de-multipolaridade-diz-especialista.html

As crescentes articulações de Pequim a fim de atrair parceiros para o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), sob seu comando, incomodam a diplomacia americana. De acordo com Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da FGV-São Paulo, especialista em países emergentes, a principal moeda de troca dos Estados Unidos será os acordos de proteção militar. Mas ele avisa: não será fácil impedir a “ascensão lenta e sutil” da influência global chinesa. Segundo Stuenkel, este é o início de uma nova era de multipolaridade em que a China se afirma como polo de poder pela primeira vez em duas décadas.

A decisão de potências europeias de aderir ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB) denota uma nova ordem geopolítica independente dos EUA?

A capacidade da China de criar uma instituição e convencer as principais potências europeias a participarem aponta para uma mudança importante na ordem global. Mas, neste momento, essa mudança é simbólica. Este banco ainda não vai substituir o Banco Mundial no curto prazo. Também já existem outras instituições como o Banco Asiático de Desenvolvimento. Vamos ver nos próximos anos uma convivência entre essas instituições. Mas temos observado uma campanha diplomática dos EUA para evitar que seus aliados integrem a iniciativa. É o início de uma nova era de multipolaridade, em que a China se afirma como polo de poder pela primeira vez em duas décadas. Ser líder de uma instituição que reunirá tantos outros países importantes, dá legitimidade à China, algo que só os EUA tinham até então.

Quanto tempo vai demorar para o novo banco se tornar uma opção real para países que buscam financiamento?

Será uma decisão da China. Mas não será uma coisa tão complexa. O lançamento desse banco não deverá demorar mais de um ou dois anos. Os primeiros projetos surgirão já em 2017. Nas próximas semanas vários países vão se juntar ao grupo. A Inglaterra tomou uma decisão muito inteligente porque se tornou o primeiro país europeu a aceitar o convite. Ela fez isso numa tentativa de tornar-se a porta de entrada para investimentos chineses na Europa. Há uma luta entre Londres e Frankfurt para ver qual vai ser o polo principal de investimentos da China. Há entre os europeus uma disputa pelo capital chinês. Mas além dos países europeus, outros entrarão. A grande questão é saber se nações como Japão, Austrália e Coreia do Sul serão membros fundadores ou entrarão mais tarde.

Qual será o impacto do banco chinês no Banco dos Brics?

A criação do banco do Brics já está mais avançada. A China está construindo o prédio em Xangai, o governo indiano está próximo de escolher o primeiro presidente, e a gente provavelmente vai ver o banco em atuação a partir do ano que vem. O banco do Brics faz parte de um novo tipo de instituição liderada por países emergentes. Também faz parte de um grupo no qual a China tem uma liderança importante. Eu não acho que este novo banco vá prejudicar o trabalho do banco dos Brics. Temos uma demanda de infraestrutura tão grande que nenhum banco consegue suprir sozinho. Esses dois bancos representam, do ponto de vista de Washington, uma ameaça que a médio e longo prazo vai enfraquecer as instituições baseadas nos EUA, como o Banco Mundial e o FMI.

Como os EUA tentarão evitar as adesões?

Continua lendo aqui.

Leia também: 

O Brasil na Venezuela (Folha de São Paulo)

Política Internacional em 2015: dez previsões

Política externa brasileira: na escuridão